Entenda mais sobre esse termo tão utilizado e importante para o negócios atuais

O Marketing Digital no século XXI

compartilhe

Foi nos idos dos anos 60 que o mundo entrou numa estrada digital que iria mudar para sempre a forma de interagir dos seres humanos. O evento que marcou a 3ª Revolução Industrial com o microchip da Intel. A partir da potencialização da capacidade de armazenamento de dados, houve uma sucessão de eventos que de forma exponencial, reduziu o tamanho dos computadores. Ao invés de máquinas gigantes em espaços onde se prezava pela tecnologia e segurança, a tecnologia nos possibilitou termos hoje 1 TERA num HD externo do tamanho de uma carteira. Mas foi mesmo a Aspanet (nome original da internet) que deu a dica do que o mundo viria a se transformar como já havia previsto o filósofo canadense Marshall Mcluhan em seu: A Galáxia de Gutemberg. Em 1969 então um professor da Universidade da Califórnia passou o primeiro e-mail da história para um colega de Stanford. A aldeia agora era digital.

A Revolução que se fez em curso não mudou só o processo de comunicação entre pessoas, grupos e organizações. Mudou também nossa maneira de viajar,  estudar,  fazer compras, namorar, pesquisar e o comportamento das pessoas. Mudou ainda a visão das empresas sobre a forma que elas passariam a vender produtos e serviços. O personal computer e a possibilidade de estar plugado com o mundo criou empresas fantásticas como a APPLE e a Microsoft. A Indústria tecnológica que emergiu nos anos posteriores virou objeto de desejo dos jovens e do mundo da inovação. As interfaces digitais se tornaram coloridas, amigáveis e muito funcionais. A capacidade de comunicação em tempo real, as novas linguagens, fontes e a tecnologia aplicada possibilitaram feitos que até então só as grandes corporações conseguiam desenvolver. Isso abriu um novo e instigante mercado que trouxe, marqueteiros, designers, arquitetos, calígrafos e programadores vindos de toda parte do mundo para compartilhar um clima de inovação jamais assistido. Surgia o Vale do Silício.

A partir desse cenário, as inovações não pararam de se somar, umas às outras, formando um imenso e instigante ambiente digital.  Nos anos 80 surgiu o fenômeno das redes sociais com o ORKUT e o MySpace e outros até que, o Sr. Mark Zukenberg criou a rede de todas as redes, o Facebook. Depois vieram o Instagram o Twitter e tantos outros. Finalmente, surgiram os Portais de Busca como o Google e o Yahoo que formaram o quadrante imbatível para qualquer campanha de qualquer produto no mundo digital. As empresas e suas agências perceberam que poderiam juntar ações de call center com estratégias de engajamento em redes sociais, envio de e-mail marketing, uma boa posição em rankings de sites de busca. Tudo isso associado a uma bem elaborada campanha de propaganda em meios de comunicação, mais promoção de vendas e ações de marketing digital que lhe coloquem cara a cara com o cliente de uma forma muito mais direta, barata e eficaz. Essa passou a ser uma demanda permanente de qualquer estratégia de Marketing.

As ações adaptadas e combinadas de campanha em marketing digital passaram a se mostrar muito mais eficazes e mensuráveis para os analistas de marketing. As respostas das investidas em canais e veículos digitais, ao longo do tempo, tem feito empresas migrarem boa parte das verbas de mídia para o digital. A capacidade de leitura do perfil das pessoas fez inverter a lógica da propaganda de anunciar > atrair > encantar > vender. O digital atua no encontrar > vender.  Os meios e  as mensagens passaram a ser escolhidos pelo cliente e não mais pelo vendedor. A multiplicação, proliferação, segmentação e tipificação de veículos e canais de venda criaram também uma estratificação em verbas de mídia jamais vista. A capacidade de inovar e acertar é um dos capítulos mais excitantes da estratégia de qualquer Campanha de Propaganda. Além disso, o marketing digital elevou a competição entre as empresas. Fez com que os serviços prestados tenham mais qualidade e visibilidade. Tornou o mercado mais competitivo e inclusivo.

Por fim vale lembrar que o design, o contexto, o conceito e a proposta de valor de uma empresa ou de um produto não estão no on e nem no off, estão na mente dos clientes. A leitura de perfis, a combinação de estratégias, a inovação e a criatividade serão sempre fundamentais em todos os tipos de plataforma.