A World Under Pressure

PANORAMA: 

Mundo: 9 milhões de pessoas contaminadas – 500 mil mortos.
Brasil: 1 milhão de pessoas contaminados – 50 mil mortos.
Brasil e EUA tem quase 40% dos casos mas são apenas 7% da população mundial.

Talvez daqui pra frente daremos mais valor aos amigos, à família e ao passeio no parque. Pode ser também que fiquemos mais paranóicos, exigentes e chatos com as questões de higiene, limpeza, assepsia, contaminação e organização das coisas, pelo menos por algum tempo. 

Aglomerações não parecem mais tão divertidas como antes. Mas, claro que vai ter futebol, vai ter shows e vai ter rolê… De alguma forma, percebemos o tanto de energia que colocávamos em questões supérfluas e que, podemos economizar muito melhorando o plano. 

A peste mata mais que o trânsito, que os homicídios e que os desastres naturais e deixa o legado de uma economia em frangalhos. No pós-pandemia, vamos rever conceitos, desejos e vontades. Estamos reelencando as nossas prioridades. 

Teremos também que nos blindar para que nunca mais aconteça a máxima de Arnold Toynbee: “O maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam.” Pior parte da Pandemia do Século XXI.

Mas temos também novos e brilhantes expoentes. Temos Jacinda Ardern, Justin Trudeau e a filha de um pastor luterano Angela Merkel em seu 4º mandato consecutivo. Precisamos mesmo da benção dos bons pastores que cuidam das ovelhas, da terra, da cria, do sustento e do elã.

Talvez teremos um mundo mais limpo e seguro mas não mais justo. Sempre haverá os menos favorecidos, os desamparados, os vulneráveis, sem teto e sem chão. Qualquer visão radical de direita ou esquerda não vingará. Liberté, Egalité, Fraternité.

Quando tudo isso acabar, lamberemos nossas feridas, lembraremos dos mortos e nos convalesceremos entre nós. Aprenderemos muito. Perceberemos exitações e excessos. Cuidaremos melhor das crianças e dos idosos. Globalização não é uma opção, é fato.

Se conseguimos superar os dinossauros, a peste bubônica, a varíola, a cólera, a tuberculose, a gripe espanhola, a fome e duas guerras mundiais, é bem provável que superaremos também o COVID19. Só não estou ainda convencido de que poderemos superar a vaidade humana.

@Valdir Jose Lanza

@Valdir Jose Lanza

Fundador da Êxodo Propaganda
Publicitário / Marketeiro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Gostou dos nossos serviços?

Entre em contato

(13) 3288-1886

Avenida: Ana Costa, 374, 112

Siga nossas redes

Êxodo © 2019. Todos os Direitos Reservados.

×