Relembrar é viver… E comprar – O efeito nostalgia na publicidade

Você se lembra da sua expectativa para a chegada das manhãs de sábado acompanhadas dos melhores desenhos animados? Ou dos brinquedos que marcaram sua geração e foram protagonistas de muitas conversas na escola?

Pois as marcas se lembram muito bem, e muito mais do que isso, elas entendem o valor emocional que esse tipo de memória traz. 

O uso de artifícios nostálgicos na publicidade se tornou uma ferramenta “queridinha” das grandes agências. Isso acontece pelo forte apelo emocional que isso traz ao produto e também pelo grande potencial de viralização orgânica que ele representa. 

Um dos maiores exemplos foi a campanha desenvolvida pela DPZ&T para promover o novo Renault Kwid Outsider.

A agência optou por introduzir o produto através do universo do clássico da animação “Caverna do Dragão”, que foi um sucesso nas décadas de 80 e 90. 

O curioso é que essa campanha foi lançada de maneira estratégica e enigmática a ponto de muitos acreditarem se tratar de um remake em live action da produção original, dada a fidelidade e o profissionalismo da campanha. 

 

A campanha conquistou diversos prêmios, mas não foi a única a fazer sucesso com esse tipo de conceito criativo. A Xfinity (empresa de serviços de telefonia e TV) soube utilizar muito bem sua área de atuação ao trazer o protagonista original da Obra E.T de 1982 para interagir novamente com o alienígena em uma campanha com gosto de saudades. 

 

 

Para resumir: os anos 80 e 90 são os novos 20’s, e saber utilizar a memória afetiva de seus consumidores de maneira inteligente pode ser uma nova e eficiente forma de se conectar com eles em uma camada mais profunda e real. 

@Carolina Mulero

@Carolina Mulero

Publicitária e pós-graduanda em Cinema e Audiovisual, apaixonada por música, cinema, animação, animais e claro, comida!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
×